segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Uma crítica ao 'fordismo' como periodização do Capitalismo e de seu funcionamento

por Almir Cezar Filho*

Linha de montagem na Ford (década de 1930)
Quando a atual crise econômica eclodiu com força na Europa em 2009 após quase uma década de prosperidade contínua trouxe à baile recentes-velhas teses sobre a crise de longo prazo nas sociedades capitalistas avançadas. Na primeira fase da crise, com adoção de política anticíclicas a la keynesianas, e depois, na segunda fase, seu total inverso, as políticas de austeridade orçamentária e ataques a direitos sociais e trabalhistas, fizeram com que a esquerda intelectual europeia se voltasse ao seu passado teórico recente para tentar entender o que acontecia e à nostalgia aos anos do pós-Segunda Guerra, supostamente marcados pela "paz social", ganhos no bem-estar social e pelo progresso econômico crescente.

Nesse marco, um dos ramos do atual Marxismo europeu, a "Escola da Regulação", afirma que o Capitalismo contemporâneo viveria agora uma fase pós-fordista, toyotista.  Magnetizada pelo conceito "fordismo", que utiliza inclusive como categoria classificatória para o estágio moderno do Capitalismo, substitui a periodização e classificação marxista e leninista desse sistema, e o faz, negando as categorias analíticas e as conclusivas do materialismo histórico para entender as crises capitalistas. Contudo, antes de concluir que nível ou etapa histórica que o sistema capitalista se encontra - se Pós-Fordista ou não - devemos analisar se de fato houve o "Fordismo". Mas antes deve-se analisar quem é a Escola da Regulação e o que é regulação econômica para essa escola e o que de fato o é para o Marxismo.

A Escola da Regulação (ER), ou Teoria da Regulação, é uma corrente heterodoxa do pensamento econômico, de origem francesa  e de matiz marxiano, tendo como ponto de partida o conceito de "regulação econômica". A Regulação Econômica é a área da Economia que estuda o funcionamento do sistema econômico através da regularidade de preços e de quantidades produzidas, ofertadas e demandadas através da interação econômica entre as respectivas partes (ou agentes) do sistema econômico: o Estado, as empresas, os credores, os trabalhadores, os consumidores e os fornecedores. Não deve ser confundida com a regulação estatal, ou mesmo com a regulamentação, onde o Estado através de leis, portarias e intervenções pela política econômica e pelos órgãos públicos, que direta e indiretamente regulamenta e intervém na vida econômica.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Avanço de IED pode embutir aplicações em juros

Para Messenberg, do Ipea, quadro de avanço de IED (investimento estrangeiro direto) para US$ 75 bi em 1 ano pode embutir aplicações em juros pode refletir a entrada de capital especulativo 'travestido' de IED.

 "Investejuros" cresceu 177%. 
Avanço de IED para US$ 75 bi em 1 ano pode embutir aplicações em juros 
Monitor Mercantil, 21/10/2011

O ingresso de investimento estrangeiro direto (IED) nos 12 meses encerrados em agosto chegou a US$ 75,4 bilhões. Isso representa crescimento de 176,6% em relação ao mesmo período de 2010.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

O desabafo da bancária à Globo


A bloguesfera anda repercutindo uma carta de uma bancária à rede Globo em que reclama da cobertura parcial e desfavorável a greve dos bancários. Veja a seguir:
Carta desabafo de uma bancária à Rede Globo

Carta à Direção Globo de Jornalismo 
Sr. Carlos Henrique Schroder, 
É com grande insatisfação que escrevo aqui em nome de quase 500 mil bancários existentes no Brasil. 
Em primeiro lugar, gostaria de dizer que estamos indignados com o tratamento que os telejornais da Central Globo de Jornalismo, subordinada a sua Direção Geral de Jornalismo e Esportes (DGJE), estão dando a nossa greve.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

A rede que controla a economia mundial

Artigo imperdível - inovação tecnológica coloca o financismo no microscópio. "Além das ideologias" demonstra como 147 instituições financeiras dominam o capitalismo global e provavelmente agem em conluio para manutenção do status quo.


Visão crítica: Revelada a rede capitalista que domina o mundo
Da New Scientist - 22/10/2011
Visão crítica: Revelada a rede capitalista que domina o mundo
Este gráfico mostra as interconexões entre o grupo de 1.318 empresas transnacionais que formam o núcleo da economia mundial. O tamanho de cada ponto representa o tamanho da receita de cada uma.[Imagem: Vitali et al.]

Além das ideologias
Conforme os protestos contra o capitalismo se espalham pelo mundo, os manifestantes vão ganhando novos argumentos.
Uma análise das relações entre 43.000 empresas transnacionais concluiu que um pequeno número delas - sobretudo bancos - tem um poder desproporcionalmente elevado sobre a economia global.
A conclusão é de três pesquisadores da área de sistemas complexos do Instituto Federal de Tecnologia de Lausanne, na Suíça.
Este é o primeiro estudo que vai além das ideologias e identifica empiricamente essa rede de poder global.
"A realidade é complexa demais, nós temos que ir além dos dogmas, sejam eles das teorias da conspiração ou do livre mercado," afirmou James Glattfelder, um dos autores do trabalho. "Nossa análise é baseada na realidade."

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Assalariados pagam mais IR que os bancos

por Marcos Penna Júnior


O artigo esta no Estado de São Paulo de domingo (16.10.2011 - Caderno de Economia). O interessante é que no Brasil os bancos operam com o maior Spread que se tem notícia, em relação ao resto do mundo. O prêmio, pela "performance", é esse ai...  Até quando vai durar a "farra" ninguém sabe. Alguém arrisca um palpite?

Esse me parece mais um motivo nítido e forte para nosso pífio desenvolvimento econômico e nosso eterno "status" de país do futuro, a distorção tributária!!

Assalariados pagam mais IR que os bancos

Trabalhadores garantem 9,9% da arrecadação federal, mais que o dobro dos 4,1% pagos pelas instituições financeiras, aponta estudo

Iuri Dantas, de O Estado de S.Paulo
16 de outubro de 2011


BRASÍLIA - As distorções tributárias do País prejudicam a classe média, que contribui com mais impostos do que os bancos. Análise feita pelo Sindicato Nacional de Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco), e confirmada por especialistas, indica que os trabalhadores pagaram o equivalente a 9,9% da arrecadação federal somente com o recolhimento de Imposto de Renda ao longo de um ano. As entidades financeiras arcaram com menos da metade disso (4,1%), com o pagamento de quatro tributos.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

EUA jogam contra o euro

Os EUA joga contra o euro. Os EUA financiam hoje 95% de seu déficit externo em sua própria moeda, que podem imprimir sem limites. O dólar continua a ser a moeda de reserva internacional mais importante, com 61% das reservas detidas pelos bancos centrais. Essa parcela correspondia a 70% no lançamento do euro em 1999. E, apesar de toda a crise da dívida soberana nos últimos dois anos, a fatia do euro não caiu e continua em 27%.

Assis Moreira - do Valor Econômico, 

Um dos representantes mais expressivos da tese é Jacques Attali, que durante uma década foi o principal assessor do presidente François Miterrand, o primeiro presidente do Banco Europeu para Reconstrução e Desenvolvimento (Berd) e hoje figura incontornável no debate econômico na França. "Os EUA estão determinados a aniquilar o euro porque querem que o dólar continue sozinho com a única moeda internacional de reserva", afirmou Attali.

domingo, 23 de outubro de 2011

"Capitalismo precisa acabar", diz Michael Moore

"Capitalismo precisa acabar", diz Michael Moore

 O cineasta americano Michael Moore acredita que o capitalismo praticado no século 21 é um sistema ''maligno'', um modelo econômico que precisa acabar.

''É um sistema em que os 1% mais ricos ficam com 40% do bolo'', disse o diretor de Fahrenheit 11/09 e escritor em entrevista ao programa Newsnight, da BBC.

Moore, que está lançando sua autobiografia, "Here Comes Trouble: Stories from My Life", está dando forte apoio ao movimento ''Ocupe Wall Street'', em que manifestantes estão ocupando áreas públicas no distrito financeiro de Nova York em protesto contra o sitema financeiro mundial.


sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Em defesa do Santuário dos Pajés de Brasília


Carta para a população em defesa da demarcação do território indígena do Santuário dos Pajés

 Há evidências arqueológicas de que o território do Distrito Federal tem servido de refúgio à população indígena brasileira há séculos. A partir do final dos anos 50, diversas etnias, entre eles os Fulni-ô e os Tuxá, se fixaram na área de cerrado acima da Asa Norte, praticando sua religião e cultos. Nos últimos anos, o projeto especulativo do Setor Noroeste vem atacando esse território sagrado, o Santuário dos Pajés, sem levar em consideração a legislação que garante os direitos dos povos indígenas às terras de uso tradicional e religioso.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Construtoras brasileiras se expandem pela América Latina

Mais uma manifestação da "submetropolização" do Brasil.  Duas grandes correntes teóricas marxistas, o trotskismo e a teoria marxista da dependência, já apontavam para a condição da economia brasileira para seus vizinhos sul-americanos como um submetrópole (Nahuel Moreno) ou mesmo subimperialismo (Ruy Mauro Marini).

Nas últimas décadas essa característica parece ter se acelerado, e ganho inclusive um papel preponderante para o funcionamento interno das respectivas economias (da submetrópole e das suas satélites), como também uma importância mais global ao sistema mundial capitalista, além das fronteiras latino-americanas. É não é a toa que o Brasil passou a ser tratado na escala de submetrópoles mundiais, os chamados BRICS.

 Construtoras brasileiras se expandem pela América Latina 

Impulsionadas pelo Governo Federal, transnacionais da construção civil ampliam sua ação na América Latina causando conflitos e destruição ambiental por onde passam


MANUELA MORAES, DE BAURU (SP)


Ponte da Odebrecht na Venezuela 

• As empresas brasileiras de construção civil tiveram um grande crescimento em sua atuação no exterior nos últimos dez anos. Graças ao financiamento público do BNDES e a ação do governo Lula, empresas como a OAS Ltda., Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Odebrecht tiveram um crescimento de 544% em sua atuação na América Latina e na África.

O movimento de internacionalização destas empresas iniciou-se nos anos 1970 com a encomenda pela Ditadura Militar de obras de grande porte, como rodovias e usinas hidrelétricas, o que garantiu o aumento dos lucros e a formação de conglomerados. Agora, este movimento é acelerado pela atuação do BNDES, que entre 2001 e 2010 aumentou em 1.185% o financiamento das obras realizadas por empreiteiras brasileiras no exterior, passando de US$73 milhões para US$937 milhões. Para este ano a previsão é de que os desembolsos cheguem a US$1,3 bilhão.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

O que é crise econômica

O que é crise econômica 

HENRIQUE CANARY
de São Paulo (SP)


• Toda vez é a mesma ladainha. Quando explode uma crise, os trabalhadores são chamados a dar sua cota de sacrifício para que o país volte a crescer e produzir, como se os ônibus lotados, o ritmo de trabalho e os salários de fome não fossem sacrifício suficiente. Agora começou de novo: a crise econômica internacional ainda nem chegou no Brasil, e a burguesia, o governo e os dirigentes sindicais vendidos já se uniram para convencer os trabalhadores de que não é hora de pedir aumento. Exibem uma infinidade de gráficos, tabelas e projeções sobre o déficit do orçamento, o movimento das bolsas e a inflação.


Mas ninguém explica para os trabalhadores: Por que ocorrem as crises? Por que elas são tão repentinas? Porque se dão sempre em momentos de grande crescimento da economia? Nossos inimigos nos tratam como crianças. Montam um verdadeiro teatro de sombras, onde dedos retorcidos aparecem como se fossem lindas gaivotas e coelhinhos saltitantes. E assim explicam as crises para os trabalhadores. Querem nos distrair enquanto enroscam a corda em nosso pescoço. Já está mais do que na hora de acabar com esse espetáculo de mentiras, acender as luzes e subir o pano.



terça-feira, 18 de outubro de 2011

Nobel de Economia 2011: "Manter o moral da tropa" neoliberal

Entra para o campo da guerra ideológica o prêmio dado pelo ortodoxo Banco Central da Suécia - que, de forma oportunista, se autodenomina Nobel de Economia - para os neoliberais norte-americanos Thomas Sargent e Christopher Sims. Os dois desenvolveram métodos para responder a questões sobre como o crescimento econômico e a inflação são afetados por um aumento temporário na taxa de juros ou por cortes de impostos. Em um momento em que as teses neoliberais desabam, agraciar tal tipo de pesquisa tem o objetivo similar ao de "manter o moral da tropa", quando é cada vez maior o risco de debandada.

O Nobel 2011

Foi anunciada na última segunda-feira que o prêmio Nobel de Economia 2011 que será entregue a Thomas J. Sargent, da Universidade de Nova York, e Christopher A. Sims, da Universidade de Princeton, ambos com 68 anos, por sua “pesquisa empírica sobre causa e efeito na macroeconomia”. Os estudos de Sargent e Sims contribuem para encontrar respostas a diversas questões contemporâneas, num momento em que o mundo vive uma nova crise e os líderes vêem se às voltas com a necessidade de influir na atividade econômica.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Como os juros controlam a economia


Entenda como os juros são usados para controlar a economia


31/08/2011


Do UOL Economia, em São Paulo
Uma economia aquecida em geral é bom para todos: há mais vendas para os empresários e mais empregos para os trabalhadores. No entanto, se há muita procura de produtos, eles podem ficar escassos e passarem a custar mais caro, causando inflação. O Brasil possui um sistema de metas para inflação que foi instituído em junho de 1999 pelo Banco Central (BC). O indicador considerado é o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Para manter o nível de inflação esperado, o governo faz uso da política monetária, com a taxa básica de juros, a Selic. Assim, caso o BC observe que a inflação corre o risco de superar a meta, a tendência é elevar os juros.

sábado, 15 de outubro de 2011

Indústria confirma que desacelera em 2011

Indústria confirma que desacelera em 2011
Monitor Mercantil, 06/10/2011


Para Iedi, recuo em dez das 14 das regiões mostra "dimensão mais grave" da queda

O Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) observou que a queda de 0,2% da produção da indústria brasileira em agosto frente a julho (com ajuste sazonal) decorreu da retração das atividades industriais em dez das 14 localidades pesquisadas pelo IBGE.. "Essa abrangência confere uma dimensão mais grave à queda da produção a nível nacional.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Queda da Selic não reduz juros; spread é maior em 2 anos


9/10/2011

Queda da Selic não reduz juros para consumidores; spread bancário tem maior nível em dois anos

Wellton Máximo


Da Agência Brasil, em Brasília
A queda da taxa básica de juros (a Selic) não está se refletindo em juros menores para os tomadores finais de empréstimos e financiamentos. Esse movimento contraditório está sendo impulsionado pelo spread bancário (diferença entre as taxas que as instituições financeiras pagam para captar recursos e as que cobram do cliente final) que está no nível mais alto em dois anos, de acordo com o Banco Central (BC).

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Desindustrialização, onde?


Desindustrialização, onde?



Por Miguel do Rosário, em seu blog

Continuo monitorando os índices da indústria brasileira. A acusação de que o Brasil estaria se desindustrializando me preocupou muito, porque, se fosse verdade, então seria um problema sério, que me obrigaria inclusive a rever minha simpatia pelo governo do PT.


Outro dia mesmo li no jornal uma notícia de que a produção industrial havia caído em agosto ou setembro. Essas matérias informam muito pouco, e sempre distorcidamente, porque nunca nos proporcionam uma visão mais abrangente. Até os fatores sazonais são omitidos do leitor. Há meses em que a produção industrial declina, todos os anos, outros em que sobe, por isso é importante sempre você ter em mente um prazo mais longo, para enxergar mais claramente.


Então eu voltei ao IBGE, onde já temos dados históricos consolidados, com atualização até agosto de 2011, para a produção industrial brasileira. Preparei uma tabela cujos dados completos podem ser vistos aqui.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Crise rebaixa Espanha, Itália e bancos europeus

Crise rebaixa Espanha, Itália e bancos europeus
Monitor Mercantil, 07/10/2011

 Na esteira do agravamento da crise na Europa, a agência de classificação de risco Fitch baixou nesta sexta-feira a avaliação da Espanha e da Itália, para AA-, no caso espanhol, e para A+, no caso italiano, mantendo ambos países em perspectiva negativa.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Dilma e Agnelo são cúmplices da limpeza étnica no Cerrado


Dilma e Agnelo são cúmplices da limpeza étnica no Cerrado
Para entender a luta pelo Santuário dos Pajés, assistam:
Sagrada Terra Especulada - http://www.sagradaterraespeculada.blogspot.com/ (filme premiado no Festival de Cinema de Brasília)
Depois de sugar suas veias, eliminam-se os índios
Já se passaram quase quinhentos e vinte anos após o desembarque do explorador Colombo no continente americano e até hoje não fomos capazes de pensar, enquanto um só povo, uma solução para a coexistência pacífica, respeitosa e cordial com aqueles que habitavam esta terra muito antes da conquista. Já sabemos que o holocausto cometido contra os povos originários deste continente e o saque às suas riquezas naturais foram as grandes alavancas do desenvolvimento dos países do norte, tendo sua revolução industrial financiada pela prata de Potosí, o ouro de Vila Rica e Veracruz. Além disso, o petróleo de Maracaibo, o gás natural e a coca andina, o cobre chileno, o pau-brasil, o charque, a cana, o café, a borracha e inúmeros outros frutos de nosso continente, seguem sendo alvo do grande capital, em sua busca para manter a insustentável máquina de devastação e exploração capitalista que, ou devora a si própria, ou destrói todo o mundo com ela.
Neste sentido, a luta pela preservação da Terra Indígena Santuário dos Pajés assume um caráter ainda mais importante, pois, no coração de Brasília, no centro de nosso continente, um santuário indígena de 50 anos inserido no bioma mais agredido do planeta luta para sobreviver contra os tratores da especulação imobiliária e da corrupção institucional, que não possuem nenhum compromisso com a sustentabilidade de nosso planeta ou com a própria população que desavergonhadamente exploram e escravizam, criminalizando todos aqueles que não compactuam com seu projeto parasita de consumo desenfreado e destruição planetária.
Em plena capital federal, com o apoio de sucessivos governos notoriamente corruptos, as construtoras se aproximaram cada vez mais da Terra Indígena, destruindo o cerrado nativo, impermeabilizando o solo em zonas de recarga hídrica, destruindo nascentes, derrubando árvores ameaçadas, matando animais e ameaçando todos que se colocaram em seu caminho. A cada quilômetro que avançam, os especuladores iniciam prédios superfaturados, com o metro quadrado mais caro do país e nomeando o projeto de “primeiro bairro ecológico do Brasil”.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

A hegemonia do capital financeiro

A hegemonia do capital financeiro


Jornal Opinião Socialista - Edição nº 430 24/08 a 06/09 de 2011



• Alguns setores da esquerda separam a burguesia entre um setor “produtivo”, progressista, e outro “especulativo”, parasitário. Trata-se de uma ideologia a serviço da colaboração de classes. O capital financeiro é a fusão do capital bancário e industrial. É o setor hegemônico no capitalismo. Por isso, não estamos perante uma crise puramente “financeira” (entendido como bancária). É uma crise do capitalismo tal qual se manifesta nos dias de hoje, parasitário e cada vez mais destruidor.

domingo, 9 de outubro de 2011

(humor) E-mail do Chefe


E-MAIL DO CHEFE

Um belo dia, um funcionário estava viajando e recebeu um e-mail de seu gerente, no qual estava escrito: " PORRA."
No dia seguinte, o funcionário respondeu o e-mail: " " FODA-SE ".


Retornando ao escritório central, foi imediatamente chamado pelo
gerente, que lhe disse:

- Voce nao tinha o direito de me responder daquele jeito!   O meu
Email era simplificado e o significado de PORRA é:
"Por Obséquio Remeter o Relatório Atrasado"O funcionário argumentou:- Eu sabia disso.. e foi exatamente dentro desse espírito que lhe
respondi FODA-SE, que significa:  
"Foi Ontem Despachado, Amanha Será Entregue".
Foi promovido, claro...Vai ter raciocínio rápido assim lá
na PQP
(Produçao, Qualidade e Planejamento)
 kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

sábado, 8 de outubro de 2011

Grécia pode abrir novo momento da crise econômica internacional 

País está à beira do calote, enquanto Europa e o restante do mundo caminham para o início de nova recessão


DIEGO CRUZ da redação



4/10/2011
Representantes de FMI e Comissão Europeia, antes de reunião com ministro das Finanças grego, dia 30 

• Rapidamente, os fatos vão minando o discurso até pouco tempo atrás otimista dos governos europeus e dos EUA. Junto com o FMI e o Banco Central Europeu, faziam crer que os sucessivos pacotes de ajustes fiscais impostos ao pequeno país do Mediterrâneo, penalizando sobretudo os trabalhadores e a grande maioria da população, resgatariam a economia e evitariam uma catástrofe.

Os últimos dois anos jogaram o país à beira de um caos social. Pois bem, agora a Grécia anunciou que não cumprirá a meta estabelecida com a União Europeia para 2011 e 2012, em troca do pacote de ajuda. O anúncio ocorreu logo após a reunião do gabinete de governo, nesse dia 2 de outubro, em pleno domingo.

Junto à divulgação das novas previsões para o próximo período, o governo do ‘socialista’ George Panpandreou também anunciou a demissão de 30 mil funcionários públicos em um ano. Eles entram para uma ‘reserva trabalhista’ e passam a receber só parte do salário, até serem finalmente demitidos. Com isso, o governo espera economizar só 300 milhões de euros, dos mais de 6,6 bilhões que vai ter que cortar para garantir as novas metas. O calote chegou primeiro aos trabalhadores.

“Querem transformar esse país em algo mais parecido aos Bálcãs que a Europa Ocidental” protestava uma funcionária pública em um dos recorrentes protestos convocados pela Central Adedy, que congrega os sindicatos dos
trabalhadores públicos. Expressando o que vem ocorrendo com boa parte da população grega, a servidora viu seu salário cair de mil para 700 euros. Já o desemprego no país ultrapassa os 16%, em índice que muitos consideram subfaturado.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

MPF manda Fazenda investigar lucro de montadoras

MPF vai investigar lucro abusivo das montadoras de automóveis

  Jornal do Brasil, 04/10 

Brasília - A 3ª Câmara de Coordenação e Revisão (CCR) do Ministério Público Federal aprovou, nesta terça-feira, diligência que solicita à Secretaria de Acompanhamento Econômico (SEAE) do Ministério da Fazenda investigação sobre eventual lucro abusivo das montadoras de automóveis. A situação se verifica em relação a veículos vendidos no Brasil, quando comparados com os mesmos carros vendidos no exterior. O MPF também quer a revisão da chamada Lei Ferrari (Lei 6.729/1979), que dispõe sobre a concessão comercial entre produtores e distribuidores de veículos automotores no país.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Ocupe Wall Street!

Ocupe Wall Street! 

Jovens acampam em centro financeiro dos EUA contra os efeitos da crise e da política econômica de Obama


JEFERSON CHOMA
da redação do Opinião Socialista
Outros textos deste(a) autor(a)


Jovens marcham pelas ruas próximas a Wall Street 

• Wall Street, coração financeiro do capitalismo mundial, está ocupada por manifestantes desde o dia 17 de setembro. Milhares estão acampados no local em protesto contra as políticas do governo Obama que despejou bilhões de dinheiro público para salvar os bancos.

O movimento, denominado “Occupy Wall Street” (ocupe Wall Street), foi convocado pelas redes sociais e tem uma óbvia referência com a ocupação da Praça Puerta del Sol, em Madri, e da Praça Tahir, no Cairo.

O movimento surpreende pelo fato de se fortalecer a cada dia, apesar da dura repressão enfrentada pelos manifestantes. No ultimo dia 24, os manifestantes sentiram a mão pesada da repressão. O prefeito de Nova York, o republicano Michael Bloomberg, oitavo homem mais rico dos EUA, ordenou que a polícia reprimisse os acampados, o que resultou na prisão de mais de 80 jovens.

No último dia 2, o prefeito novamente apelou para a repressão e ordenou que a polícia investisse contra os manifestantes quando estes tentavam ocupar a Ponte do Brooklin. Cerca de 700 pessoas foram presas. Para prender tanta gente, a polícia usou redes numa verdadeira “pesca” humana. Mas por incrível que possa parecer, o protesto segue com força, e ganha a adesão de intelectuais e artistas, como o diretor de cinema Michael Moore, a atriz Susan Sarandon, Noam Chomsky e Amy Goodman.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

O 'teorema de Preobrazhenski' - os dilemas entre inflação e industrialização em países agroexportadores

por Almir Cezar

Alguns dos principais líderes da Oposição de Esquerda
Abaixo, Trótski ao centro e Preobrazhenski último à direita.
O economista russo Evgeni Preobrazhenski (1886-1937), o mais destacado teórico da chamada "oposição de esquerda" do Partido Bolchevique (grupo intra-partidário liderado por Leon Trótski que combateu na década de 1920 a direção de Stálin e a burocratização da política soviética), foi o primeiro a se referir a uma chamada "etapa primária do socialismo" e a desenvolver a ideia da possibilidade de uma "acumulação socialista primitiva", que se implantaria pelo planejamento centralizado e industrialização acelerada apoiada na ação estatal. Duas de suas principais obras completam jubileu em 2011 - o livro A Nova Econômica, 85 anos, e o atualíssimo diante da crise mundial, O Declínio do Capitalismo, 80 anos. 

Sua contribuição não se limita a luta política soviética de seu tempo e o tema teórico da transição econômica ao socialismo,  tão importante quanto, é sua análise sobre os dilemas vividos pelos países subdesenvolvidos que trilham o caminho da industrialização, e como fica seu funcionamento nesse ínterim, mesmo sob o capitalismo, conhecida cientificamente como 'teorema de Preobrazhenski'.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Após 8 semanas em queda, previsão de PIB mantém-se em 3,51%

Depois de oito semanas seguidas em queda, a estimativa para o crescimento da economia esta ano foi mantida em 3,51%.

Estimativa do mercado para crescimento do PIB em 2011 permanece em 3,51%
Agência Brasil, 03/10/2011

Depois de oito semanas seguidas em queda, a estimativa para o crescimento da economia esta ano foi mantida em 3,51%. A projeção faz parte do boletim Focus, elaborado com base em pesquisa do Banco Central feita com analistas do mercado financeiro. Para 2012, a projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, também foi mantida, em 3,70%.

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Dívida equivale a 56% do PIB. Em 8 meses, governo torrou R$ 160 bi em juros

Dívida equivale a 56% do que o país produz
Monitor Mercantil, 30/09/2011

E, em apenas 8 meses, governo já torrou R$ 160 bilhões com pagamento de juros
A dívida líquida do setor público chegou a R$ 1,549 trilhão em agosto, segundo o Banco Central. Esse montante equivale a 39,2% de tudo o que o Brasil produz - Produto Interno Bruto (PIB), embora represente recuo de 0,2 ponto percentual sobre o mês anterior e de 1 ponto percentual no ano.

domingo, 2 de outubro de 2011

Dilema dos prisioneiros: Experimento central da teoria dos jogos

A situação do “dilema do prisioneiro” é utilizada na ciência para testar a disposição para cooperação e comportamento egoístico entre indivíduos. É um elemento central da chamada “teoria dos jogos”, que se baseia na premissa de que o sucesso de um agente não se baseia apenas em sua ação individual, senão da ação de outros atores.

Tal teoria visa demonstrar, apenas, a idéia neoclássica de um equilíbrio ótimo, trazendo ganhos para todos e que faria parte de uma racionalidade "quase-metafísica" do mercado que, contudo, tem problemas sérios de ser verificada na realidade.